Pesquisar este blog

O Maravilhoso, Fascinante e Fantástico Mundo do Egoshi

Seja Bem-Vindo! Seja Bem-Vinda!



segunda-feira, 26 de maio de 2014


EMPRESA ORIENTADA COM ÊNFASE EM PROCESSOS
Copyright @ Koiti Egoshi, 25 de Maio de 2014
Todos os Direitos Reservados – Permitida a Cópia desde que citada Esta Fonte
 

Uma empresa orientada a processos difere daquela orientada a estruturas.

Uma empresa orientada a estruturas é aquela tradicional, hierarquizada e autoritária, onde decisões e ações dependem sobremaneira de descrição de cargos e funções especializadas nas chamadas Estruturas Funcionais. A grande maioria das empresas ainda hoje está dividida em estruturas funcionais, desde o advento da Revolução Industrial com suas fábricas e escritórios.

Desde o início da chamada Revolução Industrial nos Anos 1700, passaram-se uns 300 anos. E nesses 300 anos, muita coisa mudou. E muita coisa mudou porque principalmente a tecnologia evoluiu sobremaneiraacarretando inclusive, a necessidade de mudar estruturas e processos (produtivos e organizacionais).

A tecnologia evoluiu de tal forma que a humanidade desenvolveu tecnologias da informação e comunicação (com as quais as redes de computadores em rede Internet são hoje formadas, que como um todo, recebe o nome de Informática) que cada vez mais substituem as tradicionais tecnologias analógicas. Essa evolução tecnológica mudou radicalmente a forma de trabalhar e de viver – de tal sorte que, cada vez mais tudo é baseado na informação que é a matéria-prima do conhecimento. É uma “Nova Realidade” (DRUCKER, 1997a) que Peter Drucker (1909-2005) (Wikipédia, 2014) chamou de “Era do Conhecimento” (DRUCKER, 1997b).

Contudo, a forma de estruturar atividades empresariais não mudou tanto, nas empresas – que ainda adotam a velha forma de estruturas funcionais por especialização como Financeira, Produção, Logística, Marketing, Recursos Humanos, Informática etc. Isto é, o Sistema Organizacional como um todo constituído de estruturas rígidas consolidando processos organizacionais e processos gerenciais estáticos e não dinâmicos, ainda continua muito presente em organizações em geral – acarretando inúmeros “problemas de integração interprocessos” (PAVANI JÚNIOR e SCUCUGLIA, 2011, p. 130).

A solução para esses problemas é a flexibilização dessas estruturas rígidas, evoluindo-as para estruturas orientadas por processo. Sem descartar de vez as velhas estruturas funcionaismantendo alguns cargos de chefia em níveis estratégico e tático. E no nível operacional, trabalhar por processos – de tal sorte que cada profissional poderá ter mais de um chefe: um chefe funcional e um ou mais chefes processuais.

É importante e interessante destacar aqui que, Frederick Winslow Taylor (1856-1915) chamou esses chefes processuais de “chefes funcionais” que trabalham na fábrica (TAYLOR, 1985, p. 113). E os chefes funcionais da Era da Gestão por Processos de hoje, podem corresponder àqueles que Taylor designou, para ficarem no escritório na preparação do planejamento de tarefas e de outras atividades administrativas tais como “prestação de contas de responsabilidade como cumprimento de horário, horas extras, justificativas de faltas e atrasos, e todas as outras atividades aderentes ao que a legislação do trabalho nos impõe” (PAVANI JÚNIOR e SCUCUGLIA, 2011, p. 130).   

Há mais de 100 anos atrás, Taylor já tinha essa visão de ênfase em processos produtivos na fábrica, com estruturas de apoio administrativo no escritório. Hoje, com redes de computadores em rede Internet não só apoiando como também dominando todos os níveis hierárquicos (estratégico, tático e operacional), essa ênfase em processos é possível mais que antes – para não só aumentar a produtividade da empresa e aprimorar a qualidade de produtos, como também expandir a competitividade no mercado, maximizando a satisfação de consumidores.


 

Referências Bibliográficas

DRUCKER, Peter. Sociedade Pós Capitalista. São Paulo: Thomson-Pioneira, 1997a.

DRUCKER, Peter. Sociedade Pós Capitalista. São Paulo: Pioneira, 1997b.

PAVANI JÚNIOR, Orlando e SCUCUGLIA, Rafael. Mapeamento e Gestão por Processos – BPM. São Paulo: M. Books, 2011

TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas, 1985.

WIKIPÉDIA. Peter Drucker. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Peter_Drucker>. Acesso em 26 mai 2014.

Nenhum comentário: