Pesquisar este blog

O Maravilhoso, Fascinante e Fantástico Mundo do Egoshi

Seja Bem-Vindo! Seja Bem-Vinda!



segunda-feira, 26 de maio de 2014


EMPRESA ORIENTADA COM ÊNFASE EM PROCESSOS
Copyright @ Koiti Egoshi, 25 de Maio de 2014
Todos os Direitos Reservados – Permitida a Cópia desde que citada Esta Fonte
 

Uma empresa orientada a processos difere daquela orientada a estruturas.

Uma empresa orientada a estruturas é aquela tradicional, hierarquizada e autoritária, onde decisões e ações dependem sobremaneira de descrição de cargos e funções especializadas nas chamadas Estruturas Funcionais. A grande maioria das empresas ainda hoje está dividida em estruturas funcionais, desde o advento da Revolução Industrial com suas fábricas e escritórios.

Desde o início da chamada Revolução Industrial nos Anos 1700, passaram-se uns 300 anos. E nesses 300 anos, muita coisa mudou. E muita coisa mudou porque principalmente a tecnologia evoluiu sobremaneiraacarretando inclusive, a necessidade de mudar estruturas e processos (produtivos e organizacionais).

A tecnologia evoluiu de tal forma que a humanidade desenvolveu tecnologias da informação e comunicação (com as quais as redes de computadores em rede Internet são hoje formadas, que como um todo, recebe o nome de Informática) que cada vez mais substituem as tradicionais tecnologias analógicas. Essa evolução tecnológica mudou radicalmente a forma de trabalhar e de viver – de tal sorte que, cada vez mais tudo é baseado na informação que é a matéria-prima do conhecimento. É uma “Nova Realidade” (DRUCKER, 1997a) que Peter Drucker (1909-2005) (Wikipédia, 2014) chamou de “Era do Conhecimento” (DRUCKER, 1997b).

Contudo, a forma de estruturar atividades empresariais não mudou tanto, nas empresas – que ainda adotam a velha forma de estruturas funcionais por especialização como Financeira, Produção, Logística, Marketing, Recursos Humanos, Informática etc. Isto é, o Sistema Organizacional como um todo constituído de estruturas rígidas consolidando processos organizacionais e processos gerenciais estáticos e não dinâmicos, ainda continua muito presente em organizações em geral – acarretando inúmeros “problemas de integração interprocessos” (PAVANI JÚNIOR e SCUCUGLIA, 2011, p. 130).

A solução para esses problemas é a flexibilização dessas estruturas rígidas, evoluindo-as para estruturas orientadas por processo. Sem descartar de vez as velhas estruturas funcionaismantendo alguns cargos de chefia em níveis estratégico e tático. E no nível operacional, trabalhar por processos – de tal sorte que cada profissional poderá ter mais de um chefe: um chefe funcional e um ou mais chefes processuais.

É importante e interessante destacar aqui que, Frederick Winslow Taylor (1856-1915) chamou esses chefes processuais de “chefes funcionais” que trabalham na fábrica (TAYLOR, 1985, p. 113). E os chefes funcionais da Era da Gestão por Processos de hoje, podem corresponder àqueles que Taylor designou, para ficarem no escritório na preparação do planejamento de tarefas e de outras atividades administrativas tais como “prestação de contas de responsabilidade como cumprimento de horário, horas extras, justificativas de faltas e atrasos, e todas as outras atividades aderentes ao que a legislação do trabalho nos impõe” (PAVANI JÚNIOR e SCUCUGLIA, 2011, p. 130).   

Há mais de 100 anos atrás, Taylor já tinha essa visão de ênfase em processos produtivos na fábrica, com estruturas de apoio administrativo no escritório. Hoje, com redes de computadores em rede Internet não só apoiando como também dominando todos os níveis hierárquicos (estratégico, tático e operacional), essa ênfase em processos é possível mais que antes – para não só aumentar a produtividade da empresa e aprimorar a qualidade de produtos, como também expandir a competitividade no mercado, maximizando a satisfação de consumidores.


 

Referências Bibliográficas

DRUCKER, Peter. Sociedade Pós Capitalista. São Paulo: Thomson-Pioneira, 1997a.

DRUCKER, Peter. Sociedade Pós Capitalista. São Paulo: Pioneira, 1997b.

PAVANI JÚNIOR, Orlando e SCUCUGLIA, Rafael. Mapeamento e Gestão por Processos – BPM. São Paulo: M. Books, 2011

TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas, 1985.

WIKIPÉDIA. Peter Drucker. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Peter_Drucker>. Acesso em 26 mai 2014.

sábado, 24 de maio de 2014




 
TAYLOR TAMBÉM É O CRIADOR DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (SIG)


Copyright @ Koiti Egoshi, 24 de Maio de 2014
Todos os Direitos Reservados - Permitida a Cópia desde que citada Esta Fonte
koiti@egoshi.com.br  
  

Resumo


Este artigo analisa o livro “Princípios de Administração Científica” e defende a ideia de que Frederick Winslow Taylor também é o criador do Sistema de Informações Gerenciais (SIG).
Palavras-Chave: Analista de Negócios, Analista de Processos, Analista de Sistemas, Análise de Negócios, Análise de Processos, Análise de Sistemas, Bancos de Dados, CHA (Conhecimentos, Habilidades e Atitudes), Ciência da Administração, Eficácia, Eficiência, Organização & Métodos, Sistema de Informações Gerenciais (SIG), Sistemas de Informação.

INTRODUÇÃO
 
Este artigo fundamenta-se na hodierna visão da Administração de Negócios, segregada em Análise de Negócios, Análise de Processos e Análise de Sistemas na Era Internet.

A partir da compreensão dessas subáreas, defende-se aqui a ideia de que Frederick Winslow Taylor também é o criador do Sistema de Informações Gerenciais (SIG).

Para tanto, analisa-se aqui em primeiro lugar, a Administração Científica de Taylor, no tópico “O Caminho do Sucesso com a Administração Científica de Taylor”.  
Em seguida, descrevem-se as “Características de um Sistema de Informações Gerenciais (SIG)”, como ferramenta de tomada de decisões estratégicas, táticas e operacionais.
 
E finalmente, defende-se a ideia de que “Taylor é também o Criador do Sistema de Informações Gerenciais (SIG)”.
  
1. O CAMINHO DO SUCESSO COM  A ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR
 
Taylor até se notabilizar com “Princípios de Administração Científica” foi multiespecialista e multiprofissional: operário, maquinista, escriturário, contramestre, contador, técnico em mecânica, engenheiro mecânico, inventor e consultor etc.
 
De modo geral todos no mundo dos negócios sabem que Frederick Winslow Taylor (1856-1915) é o autor do livro “Princípios de Administração Científica” que foi lançado nos Estados Unidos em 1911. E a grande maioria sabe que, junto ao engenheiro de minas Jules Henri Fayol (1841-1925), é considerado criador da Ciência da Administração, Escola da Administração e Profissão de Administrador. Como tais criadores, podemos entender que enquanto Fayol enfocou estrutura (estrutura organizacional de trabalhadores – principalmente o escritório e a parte administrativa da empresa como um todo), Taylor enfocou processo (em seus mínimos detalhes operacionais na forma de tarefas rotinizadas – na fábrica e, separando o escritório da fábrica). Ou seja, um completou o outro, para uma efetiva administração de empresas.
 
Enfrentando ferrenhos críticos ao seu trabalho, Taylor obstinadamente apresentou um Caminho Ideal de Sucesso não só às empresas, como também aos profissionais e aos indivíduos da sociedade. Apresentamos uma síntese desse caminho ideal de sucesso, consubstanciado no livro “Princípios de Administração Científica”:
 
MISSÃO
 
"Assegurar o máximo de prosperidade ao patrão, e ao mesmo tempo, o máximo de prosperidade ao empregado" (TAYLOR, 1985, p. 29), com o aumento da eficiência operacional, que em última instância, não só favorecerá o empregado e o patrão, como também o consumidor em geral – como bem escreveu Taylor “o povo recebe a maior parte dos benefícios” (TAYLOR, 1985, p. 123). Com essa apregoação de Ideal Comum a Todos, Taylor mostrava-se também um profundo Analista de Negócios.

MÉTODO CIENTÍFICO
 
Trabalhar com Método Científico, ao invés de Método Empírico, isto é, trabalhar com a Administração Científica – analisando-se sistematicamente processos e estruturas produtivas – como procedem hoje Analista de Negócios, Analista de Processos e Analista de Sistemas.
 
DIVISÃO DO TRABALHO
 
Aqui Taylor aplica conhecimentos de um verdadeiro Analista de Sistemas, dividindo o todo em partes:
 
·         FAZER e PENSAR: trabalhador FAZ de acordo com Tarefas Rotinizadas (Processos) previamente e o chefe PENSA/PLANEJA/DESCREVE tais Tarefas Rotinizadas, além de trabalhar junto tanto quanto necessário e possível;
·         ESPECIALIZAÇÃO – cada macaco no seu galho; Produção e Administração em Paralelo de todoas as atividades que pdoem ser realizadas ao mesmo tempo em espaços segregados, aplicando a chamada ADMINISTRAÇÃO FUNCIONAL ou CHEFIA NUMEROSA, com a Substituição de Um Contra-Mestre por Oito Supervisores Especialistas.
 
GERENCIAMENTO DE PESSOAL
 
Como um verdadeiro Analista de Processos de hoje, Taylor desenha um eficiente mapa de processos e estruturas necessário para o  sucesso das empresas:
 
  • Seleção Científica do Trabalhador – de acordo com a Descrição de Cargo;
  • Educação (Mudança de Mentalidade de Indolência Natural para Indolência Sistemática), Ensino (Instrução por Escrito de Rotinas de Trabalho), Treinamento (em Rotinas de Trabalho) e Adestramento (Repetição de Rotinas de Trabalho, para minimizar erros);
  • Compreensão da Lei da Fadiga e Respeito ao Limite Físico do Trabalhador – para não só aumentar a produtividade por empregado, como também para convencer o empregador a reduzir a quantidade de horas trabalhadas por empregado;
  • Horário de Trabalho Fixo de 8 Horas e 4 Intervalos de Descanso;
  • Psicologia de Apoio, incentivando a Cooperação e mantendo a Moral da Equipe;
  • Administração por Incentivos e Iniciativas, concedendo Prêmios e Benefícios por Produção.
MINIMIZAÇÃO E RACIONALIZAÇÃO DE TEMPOS E  MOVIMENTOS
 
Demonstrando profundo conhecimento de Análise de Processos, Taylor propõe “eliminar os movimentos falhos, lentos e inúteis” (TAYLOR, 1985, p. 108):
 
  • Redução de Movimentos – menos Tempo, menos Esforço e menos Fadiga.
  • Redução de Tempos – mais Produção e mais Períodos de Descanso.
  • Redução de Espaços – quantidade, peso e tamanho, a serem trabalhados.
Todos esses conhecimentos de Análise de Processos são cada vez mais largamente aplicados na Administração de Logística Integrada desta Era Internet.


PADRONIZAÇÃO DE MÉTODOS E INSTRUMENTOS DE TRABALHO
 
Para agilizar execução de tarefas com um mínimo de erros, Taylor realiza uma verdadeira Análise de Processos e  propõe Padrão de Tudo, inclusive:
 
  • Métodos de Trabalho – Tarefas sob a forma de Rotinas por Escrito.
  • Instrumentos de Trabalho – identificação e alocação no tempo certo ou, kit de trabalho.
Este Caminho Ideal de Sucesso pode ter outro nome: Caminho do Aumento da Produtividade – que é a outra grande contribuição de Taylor à humanidade, conforme se descreve a seguir:

 
PRODUTIVIDADE é (+) PRODUÇÃO em (–) TEMPO com  (–)  CUSTO e  (+)  QUALIDADE.
 
PRODUTIVIDADE = Produzir (+) em (–) TEMPO com  (–)  CUSTO e  (+)  QUALIDADE.
 
TEMPO (duração), CUSTO ($$$) e QUALIDADE (propriedade, característica e atributo*)
são
FATORES DE PRODUÇÃO.
 
Produção é efeito / resultado (produto).
Produtividade é a Capacidade de Gerar Produção utilizando Fatores de Produção.
Então,
 
PRODUTIVIDADE       =                   PRODUÇÃO
                                                              FATORES DE PRODUÇÃO
 
*Que constituem Especificações Funcionais e Especificações Técnicas de Produtos Finais (Bens e /ou Serviços).
 
 
 
 
 
Hodiernamente nos recorremos ao Ciclo PDCA de Walter Andrew Shewhart (1891-1967) da Bell Laboratories que o criou em 1930, para explicar sintética e sistematicamente a Administração no sentido de Planejar, Executar (conforme “o Planejar”), Checar (Calcular a Diferença entre “o Planejar” e o Resultado de Executar) e Providenciar (Correções e Melhorias a partir da Diferença) – que Taylor explica em mínimos detalhes no seu livro. Também podemos fazer o mesmo com o Ciclo “Prever – Organizar – Comandar – Coordenar – Controlar” de Fayol (1981, p. 26).

Em seguida, descrevem-se as características de um Sistema de Informações Gerenciais (SIG), com o objetivo de defender o trabalho como um todo de Taylor, um verdadeiro desenvolvimento de SIG.


  
2. CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (SIG)

Desenvolvemos produtos, considerando-se primeiramente, as Especificações Funcionais para depois entrar em detalhes das Especificações Técnicas.

Especificações Funcionais estão diretamente associadas às necessidades e exigências do consumidor ou usuário – neste sentido, produtos têm que ser funcionais, práticos e fáceis de usufruir.

Especificações Técnicas são detalhes técnicos quanto às propriedades, características e atributos de qualidade de produtos – que em princípio, somente técnicos têm obrigação de entender em mínimos detalhes técnicos.

No caso deste artigo, só nos interessam as Especificações Funcionais – já que consideramos aqui Sistema de Informações Gerenciais minimalistamente como um produto simples, artesanal e manual, para Tomada de Decisões Estratégicas, Táticas e Operacionais.

E assim, podemos ignorar as Especificações Técnicas – de um sistema de informações gerenciais dos dias de hoje, em Rede Internet.   

Então, são as seguintes as Especificações Funcionais de um Sistema de Informações Gerenciais:

1º. Dispor de uma tabela previamente programada no SIG, conforme exemplo a seguir:
 
 
 
Seq
Contas / Indicadores de Performance
Mês-1
Mês-2
Variação %
 
//////
////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////
//////////////////
//////////////////
 
1
Total de Contas Existentes no Período
 
 
//////////////////
 
2
Total de Contas Novas no Período
 
 
//////////////////
 
3
Total de Contas Encerradas no Período
 
 
//////////////////
 
4
Total de Contas Ativadas no Período
 
 
//////////////////
 
5
Total de Contas Inativas no Período
 
 
//////////////////
 
//////
////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////
//////////////////
//////////////////
 
6
Taxa de Crescimento = [ (2 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Novas  / Contas Existentes)
 
 
 
 
7
Força do Crescimento = [ (2 : 3) – 1 ] X 100
(Contas Novas  / Contas Encerradas)
 
 
 
 
8
Força da Ativação =  [ (5 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Ativadas / Contas Inativas)
 
 
 
 
9
Taxa de Atividade =  [ (4 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Ativadas / Contas Existentes)
 
 
 
 
10
Taxa de Inatividade =  [ (5 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Inativas / Contas Existentes)
 
 
 
 
11
Taxa de Falência = [ (3 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Encerradas / Contas Existentes)
 
 
 
 
 

2º. Possibilitar entrar com informações sobre as contas 1 a 5 em dispositivos de Entrada – como por exemplos nas atividades de uma empresa de cartões de crédito: Total de Contas Existentes, Total de Contas Novas, Total de Contas Encerradas, Total de Contas Ativadas, Total de Contas Inativas.

3º. Calcular Total de Ocorrências (Transações Operacionais) e gravar Total de cada conta (1 a 5) nas colunas Mês-1 e Mês-2.

4º. Calcular contas 6 a 11 (conforme respectivas equações) e gravar nas colunas “Mês-1” e “Mês-2”, bem como na coluna  “Variação %”.

5º. Disponibilizar ou imprimir um relatório sintético (com nomes e números fictícios), conforme abaixo:

CARTCRED – ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE CRÉDITO
RELATÓRIO SINTÉTICO DE INDICADORES DE PERFORMANCE
Seq
Contas / Indicadores de Performance
Fevereiro
Março
Variação %
 
//////
////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////
//////////////////
//////////////////
 
1
Total de Contas Existentes no Período
12.450.372
13.983.458
//////////////////
 
2
Total de Contas Novas no Período
1.869.050
2.145.585
//////////////////
 
3
Total de Contas Encerradas no Período
   489.378
   600.499
//////////////////
 
4
Total de Contas Ativadas no Período
7.719.231
5.483.251
//////////////////
 
5
Total de Contas Inativas no Período
4.731.141
8.500.207
//////////////////
 
//////
////////////////////////////////////////////////////////////
//////////////////
//////////////////
//////////////////
 
6
Taxa de Crescimento = [ (2 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Novas  / Contas Existentes)
15,01%
15,34%
+2,20%
 
7
Força do Crescimento = [ (2 : 3) – 1 ] X 100
(Contas Novas  / Contas Encerradas)
3,82X
3,57X
  –6,54% 
 
8
Força da Ativação =  [ (5 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Ativadas / Contas Inativas)
1,63X
0,65X
–60,12%
 
9
Taxa de Atividade =  [ (4 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Ativadas / Contas Existentes)
62,00%
39,21%
–36,76%
 
10
Taxa de Inatividade =  [ (5 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Inativas / Contas Existentes)
38,00%
60,79%
+60,00%
 
11
Taxa de Falência = [ (3 : 1) – 1 ] X 100
(Contas Encerradas / Contas Existentes)
3,93%
4,29%
+9,16%
 
 
 
 
Em seguida analisaremos o trabalho de Taylor e concluiremos que, ele exatamente seguiu esse passo a passo, na sequência que caracteriza Especificações Funcionais de um Sistema de Informações Gerenciais.


3. TAYLOR É TAMBÉM O CRIADOR DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (SIG)

Segue tabela, onde Taylor demonstra sistematicamente resultados de seu trabalho na Bethlehem Steel Company, conforme replicamos abaixo:
 
 
VELHO SISTEMA
NOVO SISTEMA
 
NÚMERO DE TRABALHADORES
 
 
400 a 600
 
140
 
MÉDIA DE TONELADAS POR DIA PARA CADA HOMEM
 
 
16
 
59
 
MÉDIA DE REMUNERAÇÃO POR DIA PARA E POR HOMEM
 
 
$  1,15
 
$ 1,88
 
CUSTO MÉDIO DE CARREGAMENTO DE UMA TONELADA
 
 
$ 0,072
 
$ 0,033
Resultados Econômicos do Sistema de Organização Científica
Fonte: Taylor (1985, p. 74)
 
É incrível, mas quase ninguém se ateve anos a fio, a essa tabela, a única ilustração do seu livro (afora três equações que ele demonstra na página103), nem mesmo à explicação detalhada de Taylor sobre esses números obtidos.

Talvez porque a grande maioria detesta métodos quantitativos e / ou considera pouco importantes tais informações.
Mas, são valiosíssimas as informações que Taylor nos apresenta. Porque essa tabela é uma coisa que nós chamamos hoje de Relatório Sintético. E a correspondente explicação detalhada, sobre a tabela, é o Relatório Analítico. Relatório Sintético e Relatório Analítico sobre o quê?

Justamente sobre Produtividade – o trabalho central de Taylor. Sobre o Aumento de Produtividade de um “velho sistema” para “novo sistema”, como ele os denominou.

Conforme ele faz explicação detalhada (“relatório analítico”) em seguida à tabela (“relatório sintético”): “Durante esse ano a economia, resultante da aplicação do novo sistema, ascendeu a $36.471,69 dólares e durante os seis meses seguintes, quando todo o serviço do pátio efetuou-se pelo sistema novo de trabalho por tarefa, a economia anual foi de $75.000 a $80.000 dólares” (TAYLOR, 1985, p. 74).

É assim que fazemos ainda hoje com nosso relatório analítico sobre o relatório sintético, passo a passo, conforme demonstramos anteriormente. Da mesma forma fez Taylor, conforme acabamos de demonstrar:

1º. Previamente desenhou a tabela (sem os valores) e a chamou de “Resultados Econômicos do Sistema de Organização Científica”.

2º. Contou os valores correspondentes de cada conta: Trabalhadores, Toneladas, Remuneração e Custo de Carregamento.

3º. Calculou Total de Valores de cada uma dessas contas; contou quantidade total de dias trabalhados.

4º. Calculou as médias de contas.

5º. Escreveu os resultados dos cálculos das médias de contas sobre a tabela que antes desenhou e a chamou de “Resultados Econômicos do Sistema de Organização Científica (relatório sintético).

Em síntese:

Todas essas Especificações Funcionais passo a passo caracterizam essa tabela e a explicação detalhada de Taylor, como um verdadeiro Sistema de Informações Gerenciais.

Taylor selou de vez essa assertiva ao deixar registrado em seu livro pelo menos três enfoques comprobatórios:

1º. “No passado, o homem estava em primeiro lugar; no futuro, o sistema terá a primazia” (TAYLOR, 1985, p. 27);

2º. “E o autor acredita firmemente que a administração científica será adotada para obter, primeiramente a eficiência do patrão e do operário e depois uma razoável divisão dos lucros de seus esforços comuns, porque a administração científica visa servir às três partes aludidas, por meio de investigação científica e imparcial de todos os elementos do problema” (TAYLOR, 1985, p. 125).

3º. “A administração científica não encerra, necessariamente, invenção, nem descoberta de fatos novos ou surpreendentes. Consiste, entretanto, em certa combinação de elementos que não fora antes realizada, isto é, conhecimentos coletados, analisados, agrupados e classificados, para efeito de leis e normas que constituem uma ciência seguida de completa mudança na atitude mental dos trabalhadores e da direção, quer reciprocamente, quer nas respectivas atribuições e responsabilidades” (TAYLOR, 1985, p. 125).

No primeiro enfoque, ele destaca a importância do “sistema” – que no caso é a Administração Científica como
um todo funcionando tudo por escrito (isto é, informação) – “muito há que fazer e deve ser feito, por meio da palavra e publicações para instrução não só dos trabalhadores como de todas as classes em geral” (TAYLOR, 1985, p. 42); “instruções escritas completas” (TAYLOR, 1985, p. 51); “estudar, com o cronometro de parada automática, o tempo exigido para cada um destes movimentos elementares e então escolher os meios mais rápidos de realizar as fases do trabalho” (TAYLOR, 1985, p. 108); “sistema mnemônico para classificar os produtos” (TAYLOR, 1985, p. 118).

No segundo enfoque, ele promove a “investigação científica e imparcial” – que denota a importância de se instituir padrões de desempenho (de cima para baixo), em primeiro lugar, para com base nesses padrões, administrar controles (de baixo para cima) objetivando corrigir e aprimorar tarefas com “cooperação íntima e cordial entre a direção e os trabalhadores” (TAYLOR, 1985, p. 119) – ou nas próprias palavras de Taylor, “esta cooperação estreita, íntima e pessoal, entre  direção e o trabalhador, é parte essencial da administração científica ou administração das tarefas”(TAYLOR, 1985, p. 42).

Definitivamente no terceiro enfoque, ele praticamente descreve as características de um Sistema de Informações Gerenciais: “certa combinação de elementos” de “conhecimentos coletados, analisados, agrupados e classificados”, para a tomada de decisões estratégicas, táticas e operacionais (“para efeito de leis e normas que constituem uma ciência seguida de completa mudança na atitude mental dos trabalhadores e da direção, quer reciprocamente, quer nas respectivas atribuições e responsabilidades”).

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS


Sim, Taylor também é o criador do SIG (Sistema de Informações Gerenciais) – da forma como conhecemos hoje, de uma forma bem rudimentar. Taylor foi o primeiro a desenvolvê-lo na forma de tabela e explicação detalhada.

Com esse simples sistema de informações gerenciais senão simplória tabela que Taylor apresenta no seu livro, ele abriu caminho para os modernos e avançados sistemas de informações gerenciais em redes de computadores da Era Internet.

É claro, que ele o desenvolveu sem computador, que na sua época ainda não havia sido concebido. A humanidade levou mais uns 50 anos para aprimorar esse SIG rudimentar de Taylor e desenvolvê-lo em computadores – inserindo inclusive, a coluna de variação de um período para outro, conforme este autor que vos escreve, demonstra a seguir:
 
 
RELATÓRIO SINTÉTICO
DO TRABALHO DE TAYLOR NA BETHLEHEM STEEL COMPANY
Copyright @ Koiti Egoshi, 1º de Maio de 2001 – Todos os Direitos Reservados
Permitida a Cópia desde que citada Esta Fonte
 
Indicador de Performance
Antes
Depois
Variação
Em Vezes ou %
1. TRABALHADORES
400
a
600
 
140
0,35X ou –65%
a
0,23X ou –77%
2. MÉDIA DE TONELADAS POR DIA PARA CADA HOMEM
(Produtividade do Trabalho)
16
59
3,6875X
ou
+268,75%
3. MÉDIA DE REMUNERAÇÃO POR DIA PARA CADA HOMEM
(Produtividade da Renda)
1,15
1,88
1,6347X
ou
+63,47
4. CUSTO MÉDIO DE CARREGAMENTO DE UMA TONELADA
(US$)
0,072
0,033
0,4583
–54,16%
5. PRODUTIVIDADE LÍQUIDA DA EMPRESA (23)
 
 
2,0528
ECONOMIA DE CUSTO NO PRIMEIRO ANO
(US$)
 
 
36,471.69
ECONOMIA DE CUSTO NO SEGUNDO ANO
(US$)
 
 
80,000.00
Fonte: Taylor (1985, p. 74), com inclusões de linhas e colunas de Variação
 
 
Por este Relatório Sintético inferimos a grandiosidade de Taylor ao explicar a relatividade de elementos entre si, realizando análise horizontal e análise vertical entre esses elementos, conforme ele expõe em sua explicação detalhada. Por conseguinte, ele justifica a importância de um SIG.
 
De fato, efetuando-se uma análise mais acurada, conclui-se que:
 
1º.  A MÉDIA DE TONELADAS POR DIA PARA CADA HOMEM (2) é aquilo que denominamos hoje, de Produtividade do Trabalho (de Cooperação entre patrões e empregados).
 
2º. A MÉDIA DE REMUNERAÇÃO POR DIA PARA CADA HOMEM (3) é Produtividade da Renda (de empregados).
 
3º.  A diferença entre (2) e (3) é a Produtividade Líquida da Empresa.
 
Com sua explicação detalhada Taylor justifica a necessidade de todos (patrões e empregados) obterem o máximo de Produtividade Líquida da Empresa – afinal, “o principal objetivo da administração deve ser o de assegurar o máximo de prosperidade ao patrão e, ao mesmo tempo, o máximo de prosperidade ao empregado” (TAYLOR, 1985, p. 29) “e depois, uma razoável divisão dos lucros de seus esforços comuns porque a administração científica visa servir às três partes aludidas, por meio de investigação científica e imparcial de todos os elementos do problema” (TAYLOR, 1985, p. 125).
 
Oportunamente cabe aqui finalizar que, Taylor com essa explicação detalhada (que caracteriza bem um Relatório Sintético de um SIG) justifica a importância da Administração Científica para o aumento de produtividade para a sobrevivência e o progresso de patrões e empregados, bem como da justa distribuição de lucros entre eles – em um mundo em que queiram ou não os contras, é a lógica capitalista que move o mundo de longa data, e ainda não inventaram outra melhor forma de fazer a humanidade mais feliz.
 
Para tamanho propósito, Taylor propõe “certa combinação de elementos”, “isto é, conhecimentos coletados, analisados, agrupados e classificados, para efeito de leis e normas que constituem uma ciência seguida de completa mudança na atitude mental dos trabalhadores e da direção, quer reciprocamente, quer nas respectivas atribuições e responsabilidades” (TAYLOR, 1985, p. 125). Nas palavras de hoje, um SIG para a tomada de decisões estratégicas, táticas e operacionais, objetivando aumento da produtividade que beneficiará não só uma empresa, como também a sociedade como um todo – nas palavras de Taylor, “o público em geral seria o mais beneficiado” (TAYLOR, 1985, p. 126).
 
Taylor em todo o seu livro enfatiza a importância estratégica, tática e operacional para a Administração de Empresas – que hoje deve estar firmemente alicerçada e suportada por eficientes sistemas de informações gerenciais em rede Internet.   
 
 
 
 
Referências Bibliográficas
FAYOL, Henri. Administração Industrial e Geral. São Paulo: Atlas, 1981.
TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas, 1985.