Pesquisar este blog

O Maravilhoso, Fascinante e Fantástico Mundo do Egoshi

Seja Bem-Vindo! Seja Bem-Vinda!



domingo, 6 de dezembro de 2009

INTERNET, A FRONTEIRA FINAL

O espaço, a fronteira final... estas são as viagens da nave estelar Enterprise, em sua missão de cinco anos, para explorar novos mundos, para pesquisar novas vidas, novas civilizações... audaciosamente indo aonde nenhum homem jamais esteve! (Capitão James Kirk anunciando a estréia da nave interestelar NCC 1701 em 8 de setembro de 1966 nos céus dos Estados Unidos, rumo ao fascinante espaço sideral)

Esse intróito anunciava um novo mundo: uma Terra em Paz e uma Humanidade Feliz, porque enfim os povos inteligentemente se entenderam e deixaram sua hipocrisia, estupidez e ignorância de lado, para conviverem com a máxima tolerância uns aos outros. Uma época em que os humanos descobriram e conheceram extraterrestres. Enfim, terráqueos e extraterrestres harmoniosamente irmanados entre si, pregavam paz e o bem-viver, explorando novos mundos, pesquisando novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve. Mas como só o Bem existindo não tem graça nenhuma, os trekkers ao longo de sua jornada se sujeitam a uma série de problemas e aventuras emocionantes, até baterem de frente com os temíveis klingons que detonavam tudo que viam pela frente que não fosse do interesse deles.

Hoje a Terra ainda continua na Paz e na Guerra porque a Humanidade ainda vive na hipocrisia, estupidez e ignorância. Quem sabe até o Século 23 dos trekkers, como imaginou seu criador Gene Roddenberry (1921-1991), as guerras aqui na Terra sejam apenas páginas dos livros de história.

Entretanto, chegamos a um novo mundo, onde nenhum homem jamais esteve!

Navegamos hoje pelo Mundo Virtual em Rede, que coincidência ou não, começou a ser idealizada praticamente na mesma época em que Jornada nas Estrelas dava os seus primeiros passos. Um Mundo Virtual chamado Cyberspace ou Internet, paralelo ao Mundo Real que o construiu.

Um Mundo Virtual fruto do casamento do computador com a telecomunicação. Um Mundo Virtual que tende a realizar o velho sonho de Roddenberry e de todos nós: um mundo melhor, por qual lutamos incessantemente. Por que tende para melhor?

Porque se de um lado, permite cada vez mais em grande escala a comunicação, o compartilhamento e a produção em rede, de outro lado exige cada vez mais o entendimento e a compreensão entre os povos, para que estes justamente consigam usufruir os benefícios do Cyberspace.

Mas não podemos deixar de considerar que esse Mundo Virtual, além de ser paralelo, é uma réplica do Mundo Real, isto é: tem o lado bom e o lado mau, conforme a humanidade ainda discrimina entre coisas do Bem e do Mal. Da mesma forma que os trekkers deparam com os klingons, o Mundo Virtual é dos hackers e crackers, que fazem da Internet um Cyberspace repleto de emocionantes aventuras, tanto para aqueles que simplesmente assistem de fora, como àqueles internautas que adentram e navegam nele. É realmente fantástico, fascinante e maravilhoso esse Mundo Virtual paralelo. Mais esplendoroso ainda é vislumbrar os dois mundos, Real e Virtual, cada qual influenciando um ao outro sistemicamente. Como também não podemos omitir seu lado mais escuro e cinzento: o Mundo Real é cada vez mais dependente do Mundo Virtual e este, cada vez mais, virtualiza o Mundo Real. E esse processo é irreversível. Não tem como parar, nem voltar ao que era. Tem-se somente uma única alternativa: ir em frente porque ninguém quer ficar para trás.

Só nos resta então, efetivamente administrar tanto o Mundo Real quanto o Mundo Virtual para realizarmos o nosso sonho da Jornada nas Estrelas. Este é o convite que fazemos, para você adentrar ao nosso mundo repleto de emocionantes aventuras!

Bem-vindo ao emocionante Cyberspace dos Hackers e Crackers! Assista Guerreiros da Internet / Warriors on the Net:


video

sábado, 14 de novembro de 2009

O que devemos aprender com o Estouro da Boiada sobre a Loira da UNIBAN



O QUE REALMENTE HOUVE NA UNIBAN?

Incrível e inacreditável, mas ninguém sabe direito o que realmente houve. Nem a vítima, nem os agressores. Nem os dirigentes daquela renomada instituição de ensino reunidos em grupo, que decidiram expulsar a aluna. Nem mesmo a imprensa, nem a sociedade. Muito menos indivíduos, que distantes e alheios a tudo isso que aconteceu, julgam e condenam uma parte ou outra, de acordo com seus valores internos e relatos externos (via imprensa em geral, Internet, comentários, boletins de ocorrência, sindicâncias, fofocas etc).

Como bem analisou Le Bon (2008, p. 49) em 1895, “ninguém sabe direito e de forma exata a história”. É verdade, não sabemos nada mesmo. Sócrates tinha razão quando disse que “só sei que nada sei”.

Mas, aproveitando o ensejo, gostaria de informar aos meus leitores, que pelo menos um autor hoje muito esquecido, soube analisar de forma bem convincente fenômenos psicossociais de massa, como foi o caso da UNIBAN: Gustave Le Bon (1841-1931), que escreveu o livro Psicologia das Multidões. A partir de Le Bon arrisco efetuar esta minha singela análise, que começa tentando definir o problema. Aprendi na Ciência da Administração, que antes de buscar uma solução, temos de definir o problema de forma mais completa e certeira possível. Então, peço ao leitor, que reflita sobre as sábias palavras dele, sobre os grandes movimentos das massas populares:

1. “Ação inconsciente das multidões substituindo a atividade consciente dos indivíduos”.
2. “Pouco aptas ao raciocínio, as multidões mostram-se, ao contrário, muito aptas à ação”.
3. “A personalidade consciente desaparece, os sentimentos e as idéias de todas as unidades orientam-se numa mesma direção”.
4. “Orientação dos sentimentos e dos pensamentos em um mesmo sentido”.
5. “Milhares de indivíduos separados podem em um dado momento, sob a influência de certas emoções violentas, um grande acontecimento nacional, por exemplo, adquirir as características de uma multidão psicológica”.
6. “Essa alma os faz sentir, pensar e agir de um modo completamente diferente daquele como sentiria, pensaria e agiria cada um deles isoladamente”.
7. “A multidão psicológica é um ser provisório, composto de elementos heterogêneos por um instante amalgamados”.
8. “Na alma coletiva, apagam-se as aptidões intelectuais dos homens e conseqüentemente sua individualidade”.
9. “Diversas causas determinam o surgimento das características especificas das multidões. A primeira é que o individuo na multidão adquire, exclusivamente por causa de número, um sentimento de poder invencível que ele permite ceder a instintos que, sozinho, teria forçosamente refreado”.
10. “Sendo a multidão anônima e conseqüentemente irresponsável, desaparece inteiramente o sentimento de responsabilidade que sempre detém os indivíduos”.
11. “E é assim que vemos júris dos veredictos que os jurados desaprovariam individualmente, assembléias parlamentares adotar leis e medidas que cada um dos membros que as compõem reprovaria em particular”.
12. “Os sentimentos, bons ou maus, manifestados pela multidão, apresentam a dupla característica de serem muito simples e muito exagerados. Sob este aspecto, como sob tantos outros, o individuo em multidão aproxima-se dos seres primitivos”.
13. “Sendo a multidão impressionável apenas por sentimentos excessivos, o orador que quiser seduzi-la deverá abusar das afirmações violentas. Exagerar, afirmar, repetir e nunca tentar demonstrar qualquer coisa por meio de um raciocínio são os procedimentos de argumentação familiares aos oradores das reuniões populares”.
14. “A história das revoluções populares é quase incompreensível se desconhecermos os instintos profundamente conservadores das multidões”.
15. “Em sua eterna luta contra a razão, o sentimento nunca foi vencido”.
16. “O que toca a imaginação das multidões” são “o poder e o contágio das sugestões, sobretudo das apresentadas sob a forma de imagens”.
17. “O tique de um cavalo em uma estrebaria é rapidamente imitado pelos outros cavalos da mesma estrebaria”.
18. “Semelhante aos animais, o homem é naturalmente imitativo”.

Refletindo sobre essas 18 frases de Le Bon, façamos novamente a pergunta: O que realmente houve na UNIBAN?

Aconteceu na UNIBAN, o Estouro da Boiada. O Estouro da Boiada provocou a Muvuca dentro da universidade que se ampliou para fora, gerando a maior repercussão nacional e pasmem: internacional!

Estouro da Boiada é um fenômeno de massa. Um peão sabe como conduzir de forma mais rápida uma boiada: basta fazer disparar um boi sobre outro, que o resto sai em disparada. É um fenômeno mais comum do que imagina a nossa vã filosofia, diria Shakespeare. Nasce do mais íntimo das virtudes e dos defeitos do ser humano na sociedade, diria Maquiavel.

Muito provavelmente a boiada estourou assim: inconscientemente algumas alunas mais puritanas, ficaram com bronca da “metida a gostosa”, e ficaram com inveja do sucesso dela em desfiles nas passarelas da UNIBAN; outras, mais conservadoras, detestaram a pose “pra frentex” da “metida a estrela”. E quanto aos alunos? Talvez sentiram o machucado pior que as alunas: frustração na carne mesmo, com muita excitação sexual e sem a devida satisfação. Isso tudo aconteceu, ao mesmo tempo, em nanossegundos. Some-se a esse fenômeno, todas as frustrações de vida de cada um naquele exato momento. Encontraram na vítima, uma pessoa a quem descontar e botar a culpa por todas essas frustrações e males da vida. Sim, frustrações. Todos nós temos frustrações, em maior ou menor grau. Ter frustração é humano. Faz parte da vida. Êta, vida difícil!

Sim, mais uma vez, foi um estouro da boiada dentre vários que presenciei (e como dirigente tive o prazer de evitar alguns) em minha vida, e outras que a imprensa noticiou outrora, está noticiando e ainda há de noticiar no futuro – quando todo mundo já terá esquecido o que aconteceu na UNIBAN. Isso aconteceu e acontece muito em estádios em jogos de futebol – onde torcedores em fúria se enfrentam e todos saem perdendo.

Aconteceu até em uma escola de crianças, cujo caso ficou conhecido como o Caso da Escola-Base. Este sim foi de conseqüências extremamente nefastas, para as inocentes vítimas. Conforme noticiou o jornal “O Estado de S. Paulo” em 14 de setembro de 2005, “em março de 1994, a imprensa publicou reportagens sobre seis pessoas que estariam envolvidas no abuso sexual de crianças, alunas da Escola Base, localizada no Bairro da Aclimação, na capital. Jornais, revistas, emissoras de rádio e de TV basearam-se em fontes oficial — polícia e laudos médicos — e em depoimentos de pais de alunos. Tratava-se de um erro que, quando foi descoberto, a escola já havia sido depredada, os donos estavam falidos e eram ameaçados de morte em telefonemas anônimos”. E nunca mais se recuperaram. Isso só porque uma só criança inventou toda a história de pedofilia que estaria sendo cometida pelos professores. A partir daí, seus pais se revoltaram, deram parte às autoridades públicas, a imprensa tomou as “dores” e espalhou o “lamentável” ocorrido e a sociedade em geral caiu em inconsciente coletivo (Jung, 2007) – de Gustav Jung (1875-1961). Em outras palavras, inconscientemente indivíduos tendem a ser “Maria vai com as Outras”. Nosso grande mestre de ioga Hermógenes (1921) denomina de Normose (Hermógenes, 2008, p. 311), essa anomalia de comportamento. Para o neo-darwinista Richard Dawkins (1941), é Memetismo (Dawkins, 2001, p. 212-222).

Em histórias de estouro de boiada, sempre tem aquela coisa notória: todos querem achar um culpado e se vingar, e ninguém se sente culpado. Cada qual acha um culpado. Para a vítima, os culpados são os agressores. Para os agressores, a vítima. Os que não participaram da muvuca, cada qual, acha um culpado de acordo com seus valores internos e relatos externos que interpreta do jeito que vêem à sua mente (via imprensa em geral, Internet, comentários, boletins de ocorrência, sindicâncias, fofocas etc).

Ainda bem que foi apenas uma simples muvuca na UNIBAN. Mas poderia ter sido pior, com feridos e até mortes. Ou então, com trabalhadores honestos extremamente prejudicados para o resto da vida, como foram os donos da Escola-Base Icushiro Shimada e Maria Aparecida Shimada, além do motorista Maurício Monteiro de Alvarenga.

Então, gente, vamos cair na real, para não mais prejudicarmos pessoas gratuitamente e sem saber por quê!

Vamos aprender com os nossos erros!


O QUE DEVEMOS APRENDER

Primeiramente, vamos cair na real e aprender com esse episódio, que:

1. Não devemos levar a vida tão a sério

Desenvolvamos em nós a alegria espontânea e inocente das crianças. Não sejamos tão adultos. Convençamo-nos que a aplicação da lei, bem como tomar decisões em prol da moral e da ética, devem ser os últimos recursos. Porque tudo isso é sério demais. A vida não é tão séria assim. Queremos torná-la séria, mas a vida é tortuosa, defeituosa e cheia de descaminhos de altos e baixos. Todos podem estar certos e todos podem estar errados, depende do contexto e de valores que cada um carrega dentro de si. Tanto é verdade, que a UNIBAN tomou decisão acertada – com base na lei.

Mas a lei, ora a lei (aqui parafraseando Getulio Vargas) mostrou-se frágil, perante as mentes e os corações humanos espalhados por aí, irmanados e conectados em rede, que exigiram um amplo e caloroso diálogo, do que uma simples aplicação da fria lei – que poderia prejudicar uma indefesa criatura para o resto de sua vida. Muito embora, ela no desenrolar de toda essa muvuca, com certeza poderá fazer muito sucesso por aí e ganhar muito din-din, já que é hoje, uma celebridade!

A verdade é que, uma coisa tão banal, um vestido curto, fez estourar a boiada que quase derrubou o prédio da universidade (risos)! Amanhã, se alguém se lembrar do ocorrido, morrerá de rir.

2. Está aumentando mais ainda a responsabilidade de professores e dirigentes de escolas

Não só dirigentes de escolas, mas principalmente professores (do ensino fundamental até universidades) cada vez mais estão em contato direto com uma massa cada vez maior de alunos, seja em salas de aulas, seja nas dependências escolares. Não só de alunos, mas outros indivíduos que se integram às complexas redes sociais dos alunos que se formam a torto e direito, via Internet. De tal sorte que, professores e dirigentes escolares estão cada vez mais sujeitos a presenciarem estouros de boiada – desta vez, via Internet! E até serem vítimas (como já aconteceu e está acontecendo por aí), a torto e direito. Todo cuidado é pouco!

Daí é importante que todos nós, dirigentes, professores e alunos, se conscientizem dessa nova realidade – que exige novos conhecimentos, habilidades e atitudes (CHA). Dentre esses novos CHA (na realidade não são novos, mas renovados) a serem considerados, temos: Administração com a Psicologia das Multidões, Administração de Redes de Relacionamento e Administração com Bom-Senso, Discernimento e Tolerância. Até para um professor não entrar de gaiato e não ser vítima inadvertidamente.

Também é necessário resgatar os antigos contatos e diálogos humanos face a face, cada vez mais esquecidos e deixados de lado, pela crescente robotização de tudo no mundo e do ser humano (que se relaciona e realiza cada vez mais por celulares, sistemas informatizados e serviços Internet) imposta por empresas e por ele mesmo. Exemplo? Você está do lado do seu colega de trabalho e se comunica lateralmente com ele, via Messenger e e-mail. Engraçado, né?

3. Está cada vez mais difícil para alunos entenderem este mundo

Enquanto os mais maduros só viviam no Mundo Real, os mais jovens de hoje já nasceram vivenciando dois mundos: o Mundo Real e o Mundo Virtual. Mas ambos praticamente sofrem dos mesmos problemas, que são causados pelo acréscimo do Mundo Virtual ao Mundo Real. A verdade é que, todos nós, maduros e jovens, somos cada vez mais obrigados a ser hiper-ativos, vivendo em dois mundos.

Enquanto os mais maduros têm dificuldade em se adaptar ao Mundo Real cada vez mais virtualizado e robotizado, os mais jovens sofrem com o difícil Mundo Real (conseguir um bom emprego que exige muito sacrifício e renúncia pessoais, por exemplo) em contraste ao fácil e divertido Mundo Virtual (Orkut, YouTube, messengers, e-mails e celulares, por exemplo).

Assim, maduros e jovens sofrem. Jovens até mais que maduros. Não tanto afeta os maduros, porque estes enfrentaram um Mundo Real sem as facilidades e os benefícios da Internet. Jovens sim, porque já nasceram sob benesses de videogames e cliques no computador no mundo da Alice no País das Maravilhas. Ao sair do computador, conscientemente sentem um tremendo de um choque ao cair no chato Mundo Real. Caem do Mundo Virtual para o Mundo Real. E esse tremendo choque inconscientemente vai se acumulando, até estourar um dia – estourou na UNIBAN. E poderá acontecer em qualquer outro lugar. E com qualquer tipo de humano.

Afora essa dimensão do Mundo Real adicionado de Mundo Virtual, tem uma outra complexa dimensão social que deve ser considerada: hoje temos, além das tradicionais famílias, outros tipos de famílias que também devem ser respeitadas. Antigamente as pessoas eram praticamente obrigadas a casar, ter filhos e levar aquela vidinha tradicional de nossos pais, avôs e tataravôs. Hoje, não – cada vez mais cada um vive do jeito que achar melhor. Daí, cada vez mais presenciamos uma verdade salada russa de famílias e grupamentos sociais heterogêneos. Isso tem mexido e muito, com as mentes e os corações jovens. Conseqüências: tendência a mais muvucas.

Outra questão é a da mulher que ainda bem, se emancipou e hoje, trabalha. Porém, isso gerou algumas perguntas novas a serem respondidas. Perguntas vêm, tais como: será que os filhos serão bem educados para o difícil Mundo Real, sem a presença diuturna da mãe? Será que enquanto ela trabalha, a mãe não fará falta aos filhos, para incutir em suas mentes e seus corações os princípios de moral, ética e bons costumes? São perguntas que ficam no ar, para serem respondidas. Como diz um velho ditado, perguntar não ofende, né?

4. Está cada vez mais difícil viver bem neste nosso mundo cada vez mais complexo

Tudo está muito fácil com a Internet e as tecnologias da informação e comunicação. Ao mesmo tempo, fica mais difícil viver bem neste nosso mundo. Este é o grande paradoxo da Era Internet! E não se aprendeu a viver com paradoxos. Vamos citar um exemplo: a gratuidade.

Você já percebeu, que cada vez mais, um vídeo em DVD está de graça? Inclusive com aqueles três filmes que estão passando no cinema? Ainda não sacou que você assiste de graça um show pelo YouTube? Você ainda não imaginou, quanto dinheiro se gastou, para a realização desses shows e filmes? Talvez você mais novo não saiba, mas, outrora os mais maduros tinham de ficar em longas filas de cinema para assistir! E se pagava! A tecnologia da informação e comunicação está transformando tudo em coisa grátis – que bom, né?

Que bom, nada! De que forma empresas e indivíduos irão ganhar dinheiro, se tudo está ficando de graça? Você acha que um empresário irá investir uma nota preta, para não ter nenhum retorno? Claro, que não. Se empresário não investir, você não terá emprego.

Então, a vida não está fácil pra ninguém, nem para pobres nem para ricos. Está cada vez mais difícil rico se manter rico. E pobre ficar rico. Você sabe disso. Que fazer, então?

Só nos resta tomar uma atitude pró-ativagastando nosso tempo e nossa energia para coisas realmente importantes. Porque o mar não está pra peixe, não. Não culpemos ninguém, então.



ENTÃO, VAMOS COMEMORAR!

Sim, vamos comemorar e fazer festa! Vamos nos irmanar e confraternizar.

Sigam o exemplo do Barack Obama! Só para lembrar, Obama em 30 de julho de 2009, convidou um policial branco e um professor negro, para tomar uma cervejinha na Casa Branca, e comemorar alegremente. Ambos quase reacenderam aquela antiga questão racial entre brancos e negros em apartheid.

Obama percebeu a tempo, que todos estavam errados – inclusive ele, que se intrometeu e disse besteiras que ecoaram, pelo mundo todo. Ou então, invertendo o raciocínio, que cada um estava certo de acordo com a interpretação em um dado contexto.

O policial estava certo, porque ele prendeu um sujeito que estava tentando arrombar a porta de uma casa – logo uma vizinha acionou a polícia. Esse sujeito era o professor Henry Louis Gates Jr (e a porta que ele estava arrombando, era da casa dele!) – e por incrível que pareça, amigo de Obama. Houve uma troca de palavrões, e o professor interpretou alguns grunhidos do sargento James Crowley, como racistas. Virou manchete nacional, e depois, internacional – virou um rebu danado.

Para todo mundo sair feliz e sorrir, Obama promoveu a coisa mais barata e antiga do mundo: uma festa de confraternização, para comemorar o sucesso de todos: do policial, do professor e do próprio Obama. Do policial e do professor mais ainda, porque de repente se transformaram em celebridades!

Proponho de coração, que a vítima, os agressores, alunos, funcionários, professores e a direção da UNIBAN se conciliem e comemorem – porque afinal, tudo acabou bem, apesar dos pesares, dos apuros e dos mal-estares que todo mundo passou.

Não esqueçam de homenagear aquele professor que impôs sua autoridade, e não permitiu que alunos adentrassem a sala de aula, e fizessem a pior besteira de suas vidas – e se a tivessem consumado, todos, mas todos, estariam se lamentando hoje!

Também não esqueçam de convidar todo mundo, anunciem a festa e façam o maior auê! Façam um tremendo dum Buzz Marketing – porque valerá a pena pela paz e felicidade de todos! Será que não está na hora, de o Brasil também, dar um exemplo para o mundo?

Give peace a chance – como cantaria John Lennon, nessa festa de conciliação na UNIBAN!

Até eu cantaria I started a joke, feito Bee Gees!
.
.
.
.
Referências Bibliográficas

DAWKINS, Richard. O Gene Egoísta. Belo Horizonte: Itatiaia, 2001.
HERMÓGENES. Autoperfeição com Hatha Yoga. Rio de Janeiro: Nova Era, 2008.
JUNG, Carl Gustav. Os Arquétipos e o Inconsciente Coletivo. 5ª Edição. Petrópolis: Vozes, 2007.
LE BON, Gustave. Psicologia das Multidões. São Paulo: WMF, 2008.
PORTAL DA TAUROMAQUIA. Pastel Manada. Disponível em http://www.enciclopedia.com.pt/images/pastel%20manada.jpg. Acesso em 14 nov 2009.
VETORIZAR.COM. Mulher Balada. Disponível em http://www.vetorizar.com/enviados/2008/agosto/arquivos/mulherbalada.gif. Acesso em 14 nov 2009.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Woodstock for ever



















WOODSTOCK FOR EVER
(Koiti Egoshi navegando pela Internet, de 13 para 14 de agosto de 2009)
(10 anos depois de escrevinhar a primeira versão em 1 de agosto de 1999)





Minha consciência hoje se expande, e volta no tempo.
E eu sinto novamente o sublime frescor do amanhecer daquela fascinante época,
quando amava os Beatles e os Rolling Stones.

E sonhava. Sonhava por um mundo melhor.

Sonhava e cantava:
Who´ll stop the rain?
Give peace a chance.
All you need is love.
Imagine.

Richie Havens deu o start-flash
do sonho que começou para quase meio milhão de jovens,
quando aproximadamente às 15 horas do dia 15 de Agosto de 1969,
começou a cantar
Sometimes I feel like a motherless child
(“às vezes eu me sinto como uma criança sem mãe”)
também conhecida como Freedom (Liberdade).

Foi lá na fazenda do mister Max Yasgur, bem ao norte do Estado da Nova York,
que hoje é o Bethel Woods Center for the Arts.
Os 100 mil que pagaram 18 dólares ficaram pê da vida,
porque entraram mais de 300 mil penetras,
ao anúncio de It’s a free concert, now! (“agora é um concerto grátis!”),
já que os organizadores não conseguiam deter a multidão:
acabava de se iniciar, o maior movimento jovem em prol da Paz.

Aconteceu o Woodstock Music and Art Fair: an Aquarian Exposition,
em 3 dias de Paz e Amor com Música.

Foi o maior evento rock de protesto contra o “establishment”, de todos os tempos,
com a participação espontânea de mais de 400 mil jovens entre 16 e 30 anos,
ao som da guitarra estridente de Jimi Hendrix,
da voz suplicante de Janis Joplin
e das canções idealistas de Joan Baez.
E a maior banda de country-rock de todos os tempos Creedence Clearwater Revival,
varou a madrugada de sexta para sábado,
anunciando um New Age para a Humanidade.

Graças a eles em consonância
com milhões de jovens rebeldes e não-conformistas espalhados pelo mundo,
gozamos hoje um mundo bem mais pacífico que aquela época.

Foi assim, com a benção de Dionísio promovendo a Contracultura Romântica,
o maior fenômeno social de todos os tempos.

Ninguém esperava um acontecimento tão gigantesco e espontâneo,
reunindo quase meio milhão de jovens de Paz e Amor.

O que parecia impossível acontecer, aconteceu:
o Espírito Comunitário.
Todos mas todos, se irmanaram e uns ajudaram aos outros!
Jovens e maduros em meio a alegres crianças, bebês e animais, como uma única família,
uns respeitando aos outros.
Moradores do local dando de comer e beber, para ninguém passar fome.
Soldados do Exército mediante helicópteros,
providenciando roupas e remédios para o bem-estar de todos!
Policiais socorrendo gestantes, doentes e vítimas de overdose.

Sim foi pura Verdade, foi assim que aconteceu, na Terra do Tio Sam,
logo após a conquista da Lua e em plena matança na Guerra do Vietnam.
Foi a maior manifestação do Sentimento Humanístico dos Jovens,
em consonância com a Era do Aquário...

... enfim, chegamos onde nenhum homem jamais esteve!

A súplica de mentes e corações jovens ecoou pelo universo afora.

E o grande sonho de Marilyn Ferguson e de Todos Nós de Paz e Amor,
foi realidade pelo menos em Woodstock.
E hoje está pipocando por aí, mediante redes sociais informais e emancipatórias.

O Sonho não acabou, John. Seu sonho está se tornando cada vez mais realidade!
Imagine, John, graças a você e Todos Nós da Geração Woodstock,
transformamos uma arma criada para a guerra,
em um instrumento para a Paz.
Mudamos a Arpanet militar para a Internet de todos,
para uns conversarem com outros numa boa.
Hoje desde 1993 curtimos a Internet e por intermédio dela,
cada vez mais nos relacionamos uns com outros em escala global,
quebrando fronteiras, ideologias e preconceitos,
desenvolvendo a Consciência Planetária.

Com muito orgulho e privilégio,
ainda hoje continuo sendo um daqueles jovens – sonhando por um mundo ainda melhor.
É possível sim, esse mundo ainda melhor.
Woodstock provou que
aqueles com dinheiro, podem conviver bem com outros sem dinheiro,
compartilhando a natureza e as coisas entre si.
Que todas as classes sociais e crenças religiosas
podem se religar em uma única missão.
Que todos os istas podem conviver em Paz, desde que uns respeitem os outros.
Que o que importa é o bem-viver e ser feliz em liberdade de consciência.

We are the World!



Agora assista ao vídeo Woodstock Reflections,
(onde Harriet Fier, 40 anos depois, conta como foi, ao seu filho Will Mantell de 17 anos)
O que ela diz para o filho: Woodstock aconteceu espontaneamente como num passe de magia, quando os jovens sentiram a necessidade de estar juntos em um lugar só - esta era a consciência de comunidade da época. Hoje é diferente, a noção de comunidade dos jovens de hoje é o Facebook. Mas naquela época, a sua geração era bem separada dos seus pais, não havia um bate-papo de igual para igual e solto, como ela está tendo com ele. Ela foi junto com uma amiga e se perdeu dela e também perdeu as coisas que tinha. Alguém percebeu que ela estava perdida. Ofereceu-se para ajudá-la e perguntou o que ela mais queria. Azeitona, respondeu ela, expondo espontaneamente o que veio em mente. Esse alguém berrou azeitona para a multidão e de repente, veio um pote de azeitonas em suas mãos. Finalmente ela diz que no último dia, o pessoal se conscientizou que fizeram a maior sujeira na fazenda do cara, e aí então, ajudou a limpar o enorme lixo que restou da festa.
O que ele diz para a mãe: a geração de hoje é muito diferente da de hoje. Os jovens dos Anos 60 tinham em comum a música e o ideal contra a Guerra do Vietnam e contra o establishment da época. Finalmente, ele diz que as tecnologias de hoje como o Facebook e o Myspace estão se transformando no establishment.

video

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Jornada nas Estrelas





CYBERSPACE, A FRONTEIRA FINAL


O espaço, a fronteira final... estas são as viagens da nave estelar Enterprise, em sua missão de cinco anos, para explorar novos mundos, para pesquisar novas vidas, novas civilizações... audaciosamente indo aonde nenhum homem jamais esteve!

Foi assim que pela primeira vez estrelou o filme Jornada nas Estrelas (Star Trek no original norte-americano), no longínquo ano de 1968 no Brasil e 1966 nos Estados Unidos. Aficionados em ficção-científica como eu, ficavam vislumbrados com o trailer inicial, que apresentava o vôo da espaçonave NCC-1701 e uma trilha sonora acompanhada de uma voz no espaço sideral, que declamava esse intróito. Esse intróito, anunciava um novo mundo: uma Terra em Paz e uma Humanidade Feliz, porque enfim os povos inteligentemente se entenderam e deixaram sua hipocrisia, estupidez e ignorância de lado, para conviverem com a máxima tolerância uns aos outros. Uma época em que os humanos descobriram e conheceram extraterrestres. Enfim, terráqueos e extraterrestres harmoniosamente irmanados entre si, pregavam paz e o bem-viver, explorando novos mundos, pesquisando novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve. Mas como só o Bem existindo não tem graça nenhuma, os trekkers ao longo de sua jornada se sujeitam a uma série de problemas e aventuras emocionantes, até baterem de frente com os temíveis klingons que detonam tudo que vêem pela frente que não seja do interesse deles.

Hoje a Terra ainda continua na Paz e na Guerra porque a Humanidade ainda vive na hipocrisia, estupidez e ignorância. Quem sabe até o Século 23 dos trekkers, como imaginou seu criador Gene Roddenberry (1921-1991), as guerras aqui na Terra sejam apenas páginas dos livros de história.

Entretanto, chegamos a um novo mundo, onde nenhum homem jamais esteve!

Navegamos hoje pelo mundo virtual em rede, que coincidência ou não, começou a ser idealizada praticamente na mesma época em que Jornada nas Estrelas dava os seus primeiros passos. Um Mundo Virtual chamado Cyberspace ou Internet, paralelo ao Mundo Real que o construiu.

Um Mundo Virtual fruto do casamento do computador com a telecomunicação. Um Mundo Virtual que tende a realizar o velho sonho de Roddenberry e de todos nós: um mundo melhor, por qual lutamos incessantemente. Por que tende para melhor?

Porque se de um lado, permite cada vez mais em grande escala a comunicação, o compartilhamento e a produção em rede, de outro lado exige cada vez mais o entendimento e a compreensão entre os povos, para que estes justamente consigam usufruir os benefícios do Cyberspace.

Mas não podemos deixar de considerar que esse mundo virtual, além de ser paralelo, é uma réplica do mundo real, isto é: tem o lado bom e o lado mau, conforme a humanidade ainda discrimina entre coisas do Bem e do Mal. Da mesma forma que os trekkers deparam com os klingons, o mundo virtual é dos hackers e crackers, que fazem da Internet um Cyberspace repleto de emocionantes aventuras, tanto para aqueles que simplesmente assistem de fora, como àqueles internautas que adentram e navegam nele. É realmente fantástico, fascinante e maravilhoso esse mundo virtual paralelo. Mais esplendoroso ainda é vislumbrar os dois mundos, real e virtual, cada qual influenciando um ao outro sistemicamente. Como também não podemos omitir seu lado mais escuro e cinzento: o mundo real é cada vez mais dependente do mundo virtual e este, cada vez mais, virtualiza o mundo real. E esse processo é irreversível - cada vez mais estamos adentrando em Matrix (saiba mais sobre Matrix, no meu Portal de Ciência da Administração e Tecnologias da Informação - http://www.cienciadaadministracao.com.br/). Não tem como parar, nem voltar ao que era, tem-se somente uma única alternativa: ir em frente, rumo ao mais progresso porque ninguém quer ficar para trás.

Só nos resta então, efetivamente administrar tanto o mundo real quanto o mundo virtual, para realizarmos o Nosso Sonho de Jornada nas Estrelas. Este é o convite que faço para você: adentrar ao nosso mundo repleto de emocionantes aventuras! Porque o Sonho dos Anos 60, ainda não acabou! Quem me confirma essa assertiva, é a Nova Geração Star Trek do Brasil, que nos informa que o Sonho de Jornada nas Estrelas continua no Second Life. Confira na Trek Brasilis - http://www.trekbrasilis.org/! A propósito, Second Life (http://www.secondlife.com/) é o Mundo Virtual em 3D, dentro do Mundo Virtual Internet, onde você tem a chance de viver uma segunda vida, aquela maravilhosa, fascinante e fantástica vida, que você jamais sonhou que fosse possível vivê-la! Pois viva-a em toda a sua plenitude, curtindo as românticas músicas dos Anos 60, que os trekkers curtiam em suas horas de folga, a bordo da Enterprise - clique nas imagens da coluna à esquerda, em Curta vídeos do Egoshi (ah, aqui também tem a Banda Calypso do Século 21, porque Joelminha, Chimbinha e Cia me fazem lembrar os bons tempos das baladas românticas, com estridentes guitarras Fender Stratocaster da Jovem Guarda do Século 20!).

Star Trek again!

Já faz um tempão que viajo na nave Enterprise NCC-1701, pelo universo afora!

Emociono-me todo com essa minha Jornada nas Estrelas, em companhia de James Tiberius Kirk / William Shatner (1931), Mister Spock / Leonard Nimoy (1931), Leonard McCoy / DeForest Kelley (1920-1999), Niyota Uhura / Nichelle Nichols (1933), Hikaru Sulu / George Takei (1937, Pavel Chekov / Walter Koenig (1936) e outros tantos trekkers.

Mas quem realmente eu mais gamava na série televisiva era mesmo a loiraça sensual, sexy e belíssima ordenança Janice Rand / Grace Lee Whitney (1930)! Passaram-se muitos anos, mas jamais esqueci aquele rosto doce e meigo, que mexeu muito fortemente com o meu coração de moleque! E eu sonhava que era o Kirk namorando Janice! Pode deixar, que ainda farei uma homenagem em meu blog a essa musa, que até hoje me faz sentir como se ainda vivesse aquela fascinante época.

Pois é, meus Irmãos Trekkers, convido-os a adentrar again à nave Enterprise NCC-1701. Para continuar sonhando.

Quarenta e tralalás de anos depois, Star Trek again: assista o trailer do Jornada nas Estrelas 11, que acabou de estrear no dia 8 de maio de 2009, com record de bilheteria!




video

domingo, 19 de abril de 2009

A Vida nas Nuvens

Egoshi Consulting
Estamos começando a viver nas nuvens. Sim, estamos adentrando ao Mundo das Nuvens - o chamado Cloud Computing World.

Seja bem-vindo ao maravilhoso, fascinante e fantástico Cloud Computing World!

No Cloud Computing World, cada vez mais você não necessitará investir dinheiro nem em hardware nem em software. Todo esse alto investimento ficará por conta de seus provedores de serviços Internet. Você só arcará com despesas de serviços Internet (de acesso e hospedagem, dentre inúmeros outros) - da mesma forma que hoje você faz com contas de telefone, luz, águas e esgotos. Assim que você assinar um pacote de Cloud Computing, você poderá receber em suas mãos um notebook, um smartphone, um celular ou até mesmo um desktop (computador de mesa), da mesma forma que hoje você recebe hoje um kit de instalação sob regime de comodato, ao adquirir serviços de banda larga. Mesmo muitos desses serviços Internet serão gratuitos, como o Blogger, que é este este editor de blog onde estou digitando este post (artigo) - gentilmente cedido gratuitamente pela Google. Claro, com essa gratuidade como petisco, que a Google atraiu e atrai milhares e milhões de internautas para verem seus websites repletos de informads (anúncios descritivos contendo somente textos e sem banners) - a grande sacada estratégica em Marketing, de seu enorme sucesso. Como eu sempre falo em minhas aulas de Marketing de Serviços, para ganhar din-din com um serviço, cada vez mais você terá de agregar algo mais. Esse algo mais, é conceder serviços gratuitos, com inabalável qualidade.

Aliás, ressalte-se de passagem, que a Google, desde sua fundação em 1998, não parou de ser a mais revolucionária empresa da Internet, como também a mais visionária em Marketing de Serviços. Desde que dois jovens estudantes, o norte-americano Larry Page (1973) e o russo Sergey Bin (1973) criaram aquilo que viria a ser o maior mecanismo de busca de informações na Internet, a Google não parou de agregar valor ao seu produto principal, o próprio Google.

E mais uma vez a Google saiu na frente, anunciando buzzmarketologicamente o chamado Cloud Computing em 2008. Buzzmarketologicamente? O que é isso?

Buzz Marketing é a nova palavra técnica dos marketólogos na Internet. Buzz em inglês significa zumbido. Falando o Português claro, Buzz Marketing é fazer um tremendo de um estardalhaço do seu produto no mercado, tornando-o conhecido o mais rapidamente possível, como uma grande novidade. Em outras palavras, é o Marketing de "iniciar uma sensação ou novidade em cima do seu produto, fazendo que a mídia e qualquer outro canal exponham ao máximo essa novidade. É criar bastante visiblidade para seu produto, de maneira que as pessoas sempre ouçam falar dele nos mais diversos tipos de canais", como bem define Cipriano (2008, p. 190). Daí, Buzz Marketing pode ser traduzido para Marketing Viral ou Marketing Virtual Boca-a-Boca - que se espalha como vírus no ar, de boca em boca. Para tanto, é necessária uma palavra ou mesmo uma frase marcante e sonora, como Cloud Computing. Uma marca (ou brand, em inglês) registrada ou não, que seja marcante e sonora, tanto quanto de fácil repetição e disseminação.

Mas, saindo do retumbante Buzz Marketing e retornando às nuvens do Cloud Computing, a Internet está cada vez mais se transformando em uma rede de serviços facilmente auto-operável pelos mais leigos. E na medida em que isso ocorre, a criação e o desenvolvimento desses mesmos serviços, tornam-se cada vez mais complexos e complicados, para fornecedores de Internet Services. Isso é ótimo porque garante mais empregos e mais serviços não só para os técnicos de TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação, como tembém a todos os profissionais de Marketing. Em compensação, clientes tornam-se cada vez mais dependentes de seus fornecedores virtuais.
Saiba mais, lendo:
AHSON, Syed A. Cloud Computing and Software Services. USA: CRC Press, 2009.
CIPRIANI, Fábio. Blog Corporativo. São Paulo: Novatec, 2008.
FLANKLIN JUNIOR, Curtis. Cloud Computing. USA: CRC Press, 2009.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing - Conceitos, Exercícios e Casos. São Paulo: Atlas, 1991.
LOVELOCK, Christopher e WIRTZ, Jochen. Marketing de Serviços – Pessoas, Tecnologia e Resultados. São Paulo: Pearson, 2006.
MILLER, Michael. Cloud Computing – Web-Based Applications that. USA: MacMillan Technical, 2009.
RITTINGHOUSE, John. Cloud Computing. USA: CRC Press, 2009.